Curso Desenvolvimento Web com HTML, CSS e JavaScript > apostila > Capitulo 14

Site mobile ou mesmo site?

O volume de usuários que acessam a internet por meio de dispositivos móveis cresceu exponencialmente nos últimos anos. Usuários de iPhones, iPads e outros smartphones e tablets têm demandas diferentes dos usuários Desktop. Redes nem sempre rápidas e acessibilidade em dispositivos limitados e multitoque são as principais diferenças.

Como atender a esses usuários?

Para que suportemos usuários móveis, antes de tudo, precisamos tomar uma decisão: fazer um site exclusivo - e diferente - focado em dispositivos móveis ou adaptar nosso site para funcionar em qualquer dispositivo?

Vários sites na internet adotam a estratégia de ter um site diferente voltado para dispositivos móveis usando um subdomínio diferente como "m." ou "mobile.", como https://m.kabum.com.br.

Essa abordagem é a que traz maior facilidade na hora de pensar nas capacidades de cada plataforma, Desktop e mobile, permitindo que entreguemos uma experiência customizada e otimizada para cada situação. Porém, há diversos problemas envolvidos:

Uma abordagem que costumas ser muito utilizada é a de ter um único site, acessível em todos os dispositivos móveis. Adeptos da ideia da Web única (One Web) consideram que o melhor para o usuário é ter o mesmo site do Desktop normal também acessível no mundo móvel. É o melhor para o desenvolvedor também, que não precisará manter vários sites diferentes. E é o que garante a compatibilidade com a maior gama de aparelhos diferentes.

Certamente, a ideia não é fazer o usuário móvel acessar a página exatamente da mesma maneira que o usuário Desktop. Usando truques de CSS3 bem suportados no mercado, podemos usar a mesma base de layout e marcação porém ajustando o design para cada tipo de dispositivo.

Hoje em dia não existe tanto essa crença de que o site precisa ser exatamente a mesma experiência do que no Desktop. Podemos criar experiências exclusivas para cada tipo de dispositivo, mas é importante que o usuário ainda consiga fazer as funções (por exemplo realizar uma compra).

Como desenvolver um site exclusivo para Mobile?

Do ponto de vista de código, é a abordagem mais simples: basta fazer sua página com design mais enxuto e levando em conta que a tela será pequena (em geral, usa-se width de 100% para que se adapte à pequenas variações de tamanhos de telas entre smartphones diferentes).

Uma dificuldade estará no servidor para detectar se o usuário está vindo de um dispositivo móvel ou não, e redirecioná-lo para o lugar certo. Isso costuma envolver código no servidor que detecte o navegador do usuário usando o User-Agent do navegador.

É uma boa prática também incluir um link para a versão normal do site caso o usuário não queira a versão móvel.

CSS media types

Desde a época do CSS2, há uma preocupação com o suporte de regras de layout diferentes para cada situação possível. Isso é feito usando os chamados media types, que podem ser declarados ao se invocar um arquivo CSS:

<link rel="stylesheet" href="site.css" media="screen">
<link rel="stylesheet" href="print.css" media="print">
<link rel="stylesheet" href="handheld.css" media="handheld">

Outra forma de declarar os media types é separar as regras dentro do próprio arquivo CSS:

@media screen {
  body {
    background-color: blue;
    color: white;
  }
}

@media print {
  body {
    background-color: white;
    color: black;
  }
}

O media type screen determina a visualização normal, na tela do Desktop. É muito comum também termos um CSS com media type print com regras de impressão (por exemplo, retirar navegação, formatar cores para serem mais adequadas para leitura em papel etc).

E havia também o media type handheld, voltado para dispositivos móveis. Com ele, conseguíamos adaptar o site para os pequenos dispositivos como celulares WAP e palmtops.

O problema é que esse tipo handheld nasceu em uma época em que os celulares eram bem mais simples do que hoje, e, portanto, costumavam ser usados para fazer páginas bem simples. Quando os novos smartphones touchscreen começaram a surgir - em especial, o iPhone -, eles tinham capacidade para abrir páginas completas e tão complexas quanto as do Desktop. Por isso, o iPhone e outros celulares modernos ignoram as regras de handheld e se consideram, na verdade, screen.

Além disso, mesmo que handheld funcionasse nos smartphones, como trataríamos os diferentes dispositivos de hoje em dia como tablets, televisões etc?

A solução veio com o CSS3 e seus media queries.

CSS3 media queries

Todos os smartphones e navegadores modernos suportam uma nova forma de adaptar o CSS baseado nas propriedades dos dispositivos, as media queries do CSS3.

Em vez de simplesmente falar que determinado CSS é para handheld em geral, nós podemos agora indicar que determinadas regras do CSS devem ser vinculadas a propriedades do dispositivo como tamanho da tela, orientação (landscape ou portrait) e até resolução em dpi.

<link rel="stylesheet" href="base.css" media="screen">
<link rel="stylesheet" href="mobile.css" media="(max-width: 480px)">

Outra forma de declarar os media types é separar as regras dentro do mesmo arquivo CSS:

@media screen {
  body {
    font-size: 16px;
  }
}

@media (max-width: 480px) {
  body {
    font-size: 12px;
  }
}

Repare como o atributo media agora pode receber expressões complexas. No caso, estamos indicando que queremos que as telas com largura máxima de 480px tenham uma fonte de 12px.

Você pode testar isso apenas redimensionando seu próprio navegador Desktop para um tamanho menor que 480px.

Viewport

Mas, se você tentar rodar nosso exemplo anterior em um iPhone ou Android de verdade, verá que ainda estamos vendo a versão Desktop da página. A regra do max-width parece ser ignorada!

Na verdade, a questão é que os smartphones modernos têm telas grandes e resoluções altas, justamente para nos permitir ver sites complexos feitos para Desktop. A tela de um iPhone SE por exemplo é 1280px por 720px. Celulares Android já chegam a 4K.

Ainda assim, a experiência desses celulares é bem diferente dos Desktops. 4K em uma tela de 4 polegadas é bem diferente de 4K em um notebook de 16 polegadas. A resolução muda. Celulares costumam ter uma resolução em dpi bem maior que Desktops.

Como arrumar nossa página?

Os smartphones sabem que considerar a tela como 4K não ajudará o usuário a visualizar a página otimizada para telas menores. Há então o conceito de device-width que, resumidamente, representa um número em pixels que o fabricante do aparelho considera como mais próximo da sensação que o usuário tem ao visualizar a tela.

Nos iPhones, por exemplo, o device-width é considerado como 370px, mesmo com a tela tendo uma resolução bem mais alta.

Por padrão, iPhones, Androids e afins costumam considerar o tamanho da tela visível, chamada de viewport como grande o suficiente para comportar os sites Desktop normais. Por isso a nossa página foi mostrada sem zoom como se estivéssemos no Desktop.

A Apple criou então uma solução que depois foi copiada pelos outros smartphones, que é configurar o valor que julgarmos mais adequado para o viewport:

<meta name="viewport" content="width=370">

Isso faz com que a tela seja considerada com largura de 370px, fazendo com que nosso layout mobile finalmente funcione e nossas media queries também.

Melhor ainda, podemos colocar o viewport com o valor device-width definido pelo fabricante, dando mais flexibilidade com dispositivos diferentes com tamanhos diferentes:

<meta name="viewport" content="width=device-width">

Responsive Web Design

Pequenas mudanças que fazemos usando @media tentando fazer a experiência do usuário em diversos dispositivos mais atraente é o que o mercado chama de Web Design Responsivo. O termo surgiu num famoso artigo de Ethan Marcotte e diz o seguinte:

São 3 os elementos de um design responsivo:

A ideia do responsivo é que a página se adapte a diferentes condições, em especial a diferentes resoluções. E, embora o uso de porcentagens exista há décadas na Web, foi a popularização das media queries que permitiram layouts verdadeiramente adaptativos.

Mobile-first

Nossos exercícios seguiram o processo que chamamos de desktop-first. Isso significa que tínhamos nossa página montada para o layout Desktop e, num segundo momento, precisaremos codar a adaptação a mobile.

Na prática, isso não é muito interessante porque precisamos desfazer algumas coisas do que tínhamos feito no nosso layout para desktop: tiramos alguns posicionamentos e desfizemos diversos ajustes na largura de elementos que já eram padrões deles.

É muito mais comum e recomendado o uso da prática inversa: o Mobile-first. Isto é, começar o desenvolvimento pelo mobile e, depois, adicionar suporte a layouts desktop. No código, não há nenhum segredo: vamos apenas usar mais media queries min-width ao invés de max-width, mais comum em códigos desktop-first.

A grande mudança do mobile-first é que ela permite uma abordagem muito mais simples e evolutiva. Inicia-se o desenvolvimento pela área mais simples e limitada, com mais restrições, o mobile. O uso da tela pequena vai nos forçar a criar páginas mais simples, focadas e objetivas. Depois, a adaptação pra Desktop com media queries, é apenas uma questão de readaptar o layout.

A abordagem desktop-first começa pelo ambiente mais livre e vai tentando cortar coisas quando chega no mobile. Esse tipo de adaptação é, na prática, muito mais trabalhosa.