Curso Java e Orientação a Objetos > apostila > Capitulo 20

Apêndice - Problemas com Concorrência

"Quem pouco pensa engana-se muito." -- Leonardo da Vinci

Threads acessando dados compartilhados

O uso de Threads começa a ficar interessante e complicado quando precisamos compartilhar objetos entre várias Threads.

Imagine a seguinte situação: temos um banco com milhões de contas bancárias. Clientes sacam e depositam dinheiro continuamente, 24 horas por dia. No primeiro dia de cada mês, o banco precisa atualizar o saldo de todas as contas de acordo com uma taxa específica. Para isso, ele utiliza o AtualizadorDeContas, que vimos anteriormente.

O AtualizadorDeContas, basicamente, pega cada uma das milhões de contas e chama seu método atualiza. A atualização das contas é um processo demorado, que leva horas; é inviável parar o banco por tanto tempo até que as atualizações tenham sido completas. É preciso executá-las paralelamente às atividades de depósitos e saques, normais do banco.

Ou seja, teremos várias Threads rodando simultaneamente. Em uma Thread, pegamos todas as contas e vamos chamando o método atualiza de cada uma. Em outra, podemos estar sacando ou depositando dinheiro. Estamos compartilhando objetos entre múltiplas Threads (as contas, no nosso caso).

Imagine a seguinte possibilidade (mesmo que muito remota): no exato instante em que se está atualizando uma conta X, o cliente dono desta resolve efetuar um saque. Como sabemos, ao trabalhar com Threads, o escalonador pode parar uma certa Thread a qualquer instante para executar outra, e você não tem controle sobre isso.

Veja essa classe Conta:

public class Conta {        

    private double saldo;

        // outros métodos e atributos...

        public void atualiza(double taxa) {
            double saldoAtualizado = this.saldo * (1 + taxa);
            this.saldo = saldoAtualizado;
        }

        public void deposita(double valor) {
            double novoSaldo = this.saldo + valor;
            this.saldo = novoSaldo;
        }
}

Imagine uma conta com saldo de R$ 100. Um cliente entra na agência e faz um depósito de R$ 1.000. Isso dispara uma Thread no banco que chama o método deposita(): ele começa calculando o novoSaldo, o qual passa a ser R$ 1.100 (linha 13). Só que, por algum motivo desconhecido, o escalonador para essa Thread.

Neste exato instante, ele começa a executar uma outra Thread que chama o método atualiza da mesma Conta, por exemplo, com taxa de 1%. Isto é, o novoSaldo passa a valer R$ 101 (linha 8). E, nesse momento, o escalonador troca de Threads novamente. Ele executa a linha 14 na Thread que fazia o depósito; o saldo passa a valer R$ 1.100. Acabando o método deposita, o escalonador volta para Thread do atualiza e executa a linha 9, fazendo o saldo valer R$ 101.

Resultado: o depósito de mil reais foi totalmente ignorado e seu cliente ficará pouco feliz com isso. Perceba que não é possível detectar esse erro, já que todo o código foi executado perfeitamente, sem problemas. O problema aqui foi o acesso simultâneo de duas Threads ao mesmo objeto.

E o erro só ocorreu porque o escalonador parou nossas Threads naqueles exatos lugares. Pode ser que nosso código fique rodando um ano sem dar problema algum e, em um belo dia, o escalonador resolve alternar nossas Threads daquela forma. Não sabemos como o escalonador se comporta e temos de proteger nosso código contra esse tipo de problema. Dizemos que essa classe não é thread safe, isto é, não está pronta para ter uma instância utilizada entre várias Threads concorrentemente.

O que queríamos era que não fosse possível alguém atualizar a Conta enquanto outra pessoa está depositando um dinheiro; mas,sim, uma Thread a qual não pudesse mexer em uma Conta durante o tempo em que outra Thread está mexendo nela. Não há como impedir o escalonador de fazer tal escolha. Então, o que fazer?

Controlando o acesso concorrente

Uma ideia seria criar uma trava, e, no momento em que uma Thread entrasse em um desses métodos, ela trancaria a entrada com uma chave. Dessa maneira, mesmo sendo colocada de lado, nenhuma outra Thread poderia entrar nesses métodos, pois a chave estaria com a outra Thread.

Essa ideia é chamada de região crítica. É um pedaço de código que definimos como crítico e não pode ser executado por duas Threads ao mesmo tempo. Apenas uma por vez consegue entrar em alguma região crítica.

Podemos fazer isso em Java. Usamos qualquer objeto como um lock (trava ou chave), para poder sincronizar em cima desse objeto, isto é, se uma Thread entrar em um bloco que foi definido como sincronizado por esse lock, apenas uma Thread poderá estar lá dentro ao mesmo tempo, pois a chave estará com ela.

A palavra-chave synchronized dá essa característica a um bloco de código e recebe qual é o objeto que será usado como chave. A chave só é devolvida quando a Thread que a tinha sair do bloco, seja por return , seja por disparo de uma exceção (ou ainda na utilização do método wait()).

Queremos, então, bloquear o acesso simultâneo a uma mesma Conta:

public class Conta {

    private double saldo;

    // outros métodos e atributos...

    public void atualiza(double taxa) {
        synchronized (this) {
            double saldoAtualizado = this.saldo * (1 + taxa);
            this.saldo = saldoAtualizado;           
        }
    }

    public void deposita(double valor) {
        synchronized (this) {
            double novoSaldo = this.saldo + valor;
            this.saldo = novoSaldo;         
        }
    }
}

Observe o uso dos blocos synchronized dentro dos dois métodos. Eles bloqueiam uma Thread utilizando o mesmo objeto Conta, o this.

Esses métodos são mutuamente exclusivos e só executam de maneira atômica. Threads que tentam pegar um lock o qual já está pego ficarão em um conjunto especial esperando pela liberação do lock (não necessariamente em uma fila).

Sincronizando o bloco inteiro

É comum sempre sincronizarmos um método inteiro utilizando o this normalmente.

public void metodo() {
  synchronized (this) {
      // conteúdo do metodo
  }
}

Para esse mesmo efeito, existe uma sintaxe mais simples, na qual o synchronized pode ser usado como modificador do método:

public synchronized void metodo() {
  // conteúdo do metodo
}

Mais sobre locks, monitores e concorrência

Se o método for estático, será sincronizado usando o lock do objeto que representa a classe (NomeDaClasse.class).

Além disso, o pacote java.util.concurrent, conhecido como JUC, entrou no Java 5.0 para facilitar uma série de trabalhos comuns que costumam aparecer em uma aplicação concorrente.

Esse pacote ajuda até mesmo criar Threads e pool de Threads por meio dos Executors.

Vector e Hashtable

Duas collections muito famosas são Vector e Hashtable, a diferença entre elas, suas irmãs ArrayList e HashMap é que as aquelas primeiras são Thread Safe.

Você pode se perguntar por que não usamos sempre essas classes Thread Safe. Adquirir um lock tem um custo, e caso um objeto não vá ser usado entre diferentes Threads, não há um porquê de usar essas classes que consomem mais recursos. Mas nem sempre é fácil enxergar se devemos sincronizar um bloco, ou se devemos utilizar blocos sincronizados.

Antigamente, o custo de se usar locks era altíssimo, hoje em dia, isso custa pouco para a JVM, mas não é motivo para você sincronizar tudo sem necessidade.

Um pouco mais...

Exercícios avançados de programação concorrente e locks

Exercícios recomendados se você já tinha algum conhecimento prévio de programação concorrente, locks, etc.

  1. Enxerguemos o problema ao se usar uma classe que não é thread-safe: a ArrayList por exemplo.

    Imagine que temos um objeto o qual guarda todas as mensagens que uma aplicação de chat recebeu. Usemos uma ArrayList<String> para armazená-las. Nossa aplicação é multi-thread, então diferentes Threads vão inserir diferentes mensagens a serem registradas. Não importa a ordem na qual elas sejam guardadas, desde que elas um dia sejam!

    Usemos a seguinte classe para adicionar as queries:

    public class ProduzMensagens implements Runnable {
        private int comeco;
        private int fim;
        private Collection<String> mensagens;
    
        public ProduzMensagens(int comeco, int fim, Collection<String> mensagens) {
            this.comeco = comeco;
            this.fim = fim;
            this.mensagens = mensagens;
        }
    
        public void run() {
            for (int i = comeco; i < fim; i++) {
                mensagens.add("Mensagem " + i);
            }
        }
    }

    Criemos três Threads que rodem esse código e adicionem as mensagens na mesma ArrayList. Em outras palavras, teremos Threads compartilhando e acessando um mesmo objeto: é aqui onde mora o perigo.

    public class RegistroDeMensagens {
    
        public static void main(String[] args) throws InterruptedException {
            Collection<String> mensagens = new ArrayList<String>();
    
            Thread t1 = new Thread(new ProduzMensagens(0, 10000, mensagens));
            Thread t2 = new Thread(new ProduzMensagens(10000, 20000, mensagens));
            Thread t3 = new Thread(new ProduzMensagens(20000, 30000, mensagens));
    
            t1.start();
            t2.start();
            t3.start();
    
            // Faz com que a Thread a qual roda o main aguarde o fim dessas:
            t1.join();
            t2.join();
            t3.join();
    
            System.out.println("Threads produtoras de mensagens finalizadas!");
    
            // Verifica se todas as mensagens foram guardadas:
            for (int i = 0; i < 15000; i++) {
                if (!mensagens.contains("Mensagem " + i)) {
                    throw new IllegalStateException("não encontrei a mensagem: " + i);
                }
            }
    
            // Verifica se alguma mensagem ficou nula:
            if (mensagens.contains(null)) {
                throw new IllegalStateException("não devia ter null aqui dentro!");
            }
    
            System.out.println("Fim da execucao com sucesso");
        }
    }

    Rode algumas vezes. O que acontece?

  2. Teste o código anterior, mas usando synchronized ao adicionar na coleção:

    public void run() {
        for (int i = comeco; i < fim; i++) {
            synchronized (mensagens) {
                mensagens.add("Mensagem " + i);
            }
        }
    }
  3. Sem usar o synchronized, teste com a classe Vector, que é uma Collection e thread-safe.

    O que mudou? Olhe o código do método add na classe Vector. O que tem de diferente nele?

  4. Novamente, sem usar o synchronized, teste usar HashSet e LinkedList no lugar de Vector. Faça vários testes, pois as Threads vão se entrelaçar cada vez de uma maneira diferente, podendo ou não ter um efeito inesperado.

No capítulo de Sockets, usaremos Threads para solucionar um problema real de execuções paralelas.